Penas alternativas para pequenos traficantes: os argumentos do TJSP na engrenagem do superencarceramento

Maira Rocha Machado, Matheus de Barros, Olívia Landi Corrales Guaranha, Julia Adib Passos

Resumo


Este texto apresenta os resultados de pesquisa sobre os argumentos mobilizados pelo Tribunal de Justiça de São Paulo para decidir as penas aplicadas aos chamados “pequenos traficantes”. Ao focalizar os processos decisórios e suas motivações, essa pesquisa aposta no papel crucial que desempenha o poder judiciário para a produção de diagnósticos sobre o funcionamento do sistema de justiça criminal e, a partir deles, para a elaboração de políticas públicas voltadas a conter o superencarceramento. O método de coleta e análise de dados permitiu a identificação e organização dos argumentos mais frequentes em 266 acórdãos, bem como contribuiu a desvendar o modo como o Tribunal posicionou-se diante das mudanças jurisprudenciais e normativas da última década. Esses dados foram então discutidos à luz das chaves de análise propostas por Dan Kaminski, em especial no tocante às tensões entre as normatividades institucionais, organizacionais e profissionais nas práticas penais. Com base nesse método de trabalho foi possível observar de que modo o Tribunal reage aos precedentes do Supremo Tribunal Federal e expande seu arsenal argumentativo para negar a substituição das penas prisionais por restritivas de direitos. Destacaram-se, nesse ponto, as teias argumentativas relacionadas à percepção dos magistrados sobre o tráfico de drogas e sobre a insuficiência das penas alternativas.

Palavras-chave


tráfico privilegiado; tráfico de drogas; penas alternativas à prisão; pesquisa empírica; motivação das decisões judiciais

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDER, Michelle. The New Jim Crow: mass incarceration in the age of colorblindness. New York: The New Press, 2012.

ALVAREZ, Marcos César; FRAGA, Paulo César Pontes; CAMPOS, Marcelo da Silveira. Perspectivas atuais sobre políticas, produção, comércio e uso de drogas, Tempo social, v. 29, n. 2, p. 1-14, maio/ago. 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional. Modelo de gestão para a política prisional. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/dirpp/cgpc/copy_of_ModelodeGestao_documentofinal. pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias: atualização Junho de 2016. Disponível em: http://www.justica.gov.br/ news/ha-726-712-pessoas-presas-no-brasil/relatorio_2016_junho.pdf. Acesso em: 5 fev. 2018.

BRASIL. Superior Tribunal Federal. Habeas corpus. HC 118533 / MS. Plenário do Superior Tribunal Federal. Pacte.(s): Ricardo Evangelista Vieira de Souza; Pacte.(s): Robinson Roberto Ortega; Impte.(s): Defensoria Pública da União; Proc.(a/s)(es): defensor público-geral federal; Coator(a/s)(es): Superior Tribunal de Justiça. Relatora: Min. Cármen Lúcia. Brasília, 23 de junho de 2016. Disponível em: http://redir.stf.jus.br/ paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=11677998. Acesso em: 22 mar. 2018.

CAMPOS, Marcelo da Silveira. Crime e Congresso Nacional: uma análise da política criminal aprovada de 1989 a 2006. São Paulo: IBCcrim, 2010.

CAPPI, Riccardo. A teorização fundamentada nos dados: um método possível na pesquisa empírica em direito. In: MACHADO, Maíra (Org.). Pesquisar empiricamente o direito. São Paulo: Rede de Estudos Empíricos em Direito, 2017, p. 391-422. Disponível em: http://reedpesquisa.org/livro-digital-pesquisar-empirica-mente-o-direito/. Acesso em: 31 jan. 2018.

DUBÉ, Richard; GARCIA, Margarida; MACHADO, Maíra (Org.). La rationalité pénale moderne: réflexions théoriques et explorations empiriques. Ottawa: Presses de l’Université d’Ottawa, 2013.

GOMES, Geder Luiz Rocha. A substituição da prisão: alternativas penais: legitimidade e adequação. Salvador: JusPodivm, 2008.

JESUS, Maria Gorete Marques. O que está no mundo não está nos autos: a construção da verdade jurídica nos processos criminais de tráfico de drogas. 2016. 276 f. Tese (Doutorado)—Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

KAMINSKI, Dan. Condamner: une analyse des pratiques pénales. Toulose: Éditions érès, 2015. KAMINSKI, Dan (Org.). L’usage penal des drogues. Bruxelles: De Boeck & Larcier, 2003.

MACHADO, Maira Rocha; MACHADO, Marta (Org.). Carandiru não é coisa do passado: um balanço sobre os processos, as instituições e as narrativas 23 anos após o massacre. São Paulo: Acadêmica Livre, 2015.

PIRES, Alvaro. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In : POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques teóricos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 154-211.

QUIVY, Raymond; CAMPENHOUDT, Luc Van. Manual de investigação em ciências sociais. Tradução de João Marques. Lisboa: Gradivas, 1992. REIS, Vilma. Juristas negros e negras: por vida e liberdade no Brasil. In: FLAUZINA, Ana Luiza Pinheiro;

VARGAS, João Helion Costa (Org.). Discursos negros: legislação penal, política criminal e racismo. Brasília: Brado Negro, 2015, p. 4-6.

SÃO PAULO (Estado). Tribunal de Justiça Estado de São Paulo. Composição magistrados ordem antiguidade. Disponível em: http://www.tjsp.jus.br/SecaoDireitoCriminal/SecaoDireitoCriminal/ComposicaoMagi-stradosOrdemAntiguidade. Acesso em: 7 fev. 2018.

SILVA, Felipe. Não compre, plante?: a tipificação penal das situações de cultivo de canábis pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. 2016. ?f. Dissertação (Mestrado)—Mestrado em Direito e Desenvolvimento da FGV Direito SP, Escola de direito de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv. br/dspace/handle/10438/16519. Acesso em: 5 mar. 2018.

SIMON, Jonathan. Governing through crime. Oxford: Oxford University Press, 2007.

VOJVODIC, Adriana. Precedentes e argumentação no Supremo Tribunal Federal: entre a vinculação ao passado e a sinalização para o futuro. 2012. ?f. Tese (Doutorado)—Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo , São Paulo, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v8i1.5155

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia