A responsabilidade civil pelos atos autônomos da inteligência artificial: notas iniciais sobre a resolução do parlamento europeu

Thatiane Cristina Fontão Pires, Rafael Peteffi da Silva

Resumo


O desenvolvimento da tecnologia da Inteligência Artificial (IA) está conferindo a computadores a capacidade de aprender e atuar de forma autônoma, ou seja, independente de uma instrução específica de um ser humano. A partir desse cenário, apresenta-se o problema da imputação de responsabilidade por danos causados pelos atos autônomos da IA, através do método dedutivo e da técnica de pesquisa bibliográfica. Para tanto, delimita-se o conceito de IA, as suas principais características, bem como exemplos atuais da sua aplicação e dos possíveis riscos e danos que dela possam derivar. Na segunda parte do artigo, passa-se à análise do debate que vem sendo travado no cenário da União Europeia, registrado recentemente na Resolução do Parlamento Europeu, de 16 de fevereiro de 2017, com recomendações à Comissão de Direito Civil sobre Robótica (2015/2103(INL)). O exame terá como enfoque as disposições da resolução relacionadas com a responsabilidade civil pelos danos causados pelos atos autônomos da IA, contrapondo-se, quando possível, a abordagem conferida pela doutrina estrangeira, nas teorias da IA como ferramenta, com a consequente responsabilidade do usuário ou proprietário, da responsabilidade pelo produto e da responsabilidade objetiva pela gestão de riscos. O exame proposto permite concluir que a resolução europeia trata das teorias de forma complementar, com preponderância da intenção de se aplicar a responsabilidade objetiva daquele que está mais bem colocado para minimizar os riscos e oferecer garantias e de estabelecer a adoção de um seguro obrigatório para absorver os riscos.

Palavras-chave


Responsabilidade civil; Inteligência Artificial; robótica; regulação; União Europeia; avaliação de Políticas Públicas

Texto completo:

Pdf

Referências


BOGOST, Ian. Why Zuckerberg and Musk are fighting about the robot future. Disponível em: . Publicado em: 27/07/2017. Acesso em: 18/08/2017.

ČERKA, Paulius; GRIGIENĖ, Jurgita; SIRBIKYTĖ, Gintarė. Liability for damages caused by Artificial Intelligence. Computer Law & Security Review. Elsevier, v. 31, n. 3, jun. 2015, p. 376-389.

CHAKRABORTY, Biplab. Artificial Intelligence (AI): Will it help or hurt mankind? Disponível em: . Publicado em: 06/08/2017. Acesso em: 10/08/2017.

DOMINGOS, Pedro. The master algorithm: How the quest for the ultimate learning machine will remake our world. New York: Basic Books, 2015.

FAIRGRIEVE, Duncan (Ed.). Product liability in comparative perspective. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

GRACE, Katja; SALVATIER, John; DAFOE, Allan; ZHANG, Baobao; EVANS, Owain; When Will AI Exceed Human Performance? Evidence from AI Experts. Disponível em: Acesso em: 24/08/2017.

GREENE, Jayson. Do Androids Dream of Electric Guitars? Exploring the Future of Musical A.I. 2017. Disponível em: . Acesso em: 24/08/2017.

KINGSTON, J. K. C. Artificial Intelligence and legal liability. In: BRAMER, Max (Ed.); PETRIDIS, Miltos (Ed.). Research and Development in Intelligent Systems XXXIII: incorporating applications and innovations in Intelligent Systems XXIV (Proceedings of AI-2016, The Thirty-Sixth SGAI International Conference on Innovative Techniques and Applications of Artificial Intelligence). Cham (CH): Springer International Publishing AG, 2016.

KNIGHT, Will. The dark secret at the heart of AI: no one really knows how the most advanced algorithms do what they do - that could be a problem. MIT Technology Review, abril 2017, disponível em: . Acesso em: 13/08/2017.

KONGTON, Alisa; SANGKEETTRAKARN, Chatchawal; KONGYOUNG, Sarawoot; HARUECHAIYASAK, Choochart. Implementing an online help desk system based on conversational agent. Proceedings of the International Conference on Management of Emergent Digital EcoSystems, N. 69, 2009.

LAUKYTĖ, Miglė. Artificial and Autonomous: A Person? In: CRNKOVIC, Gordana Dodig-; ROTOLO, Antonino; SARTOR, Giovanni; SIMON, Judith; SMITH, Clara (Ed.). Social Computing, Social Cognition, Social Networks and Multiagent Systems Social Turn - SNAMAS 2012. Birmingham (UK): The Society for the Study of Artificial Intelligence and Simulation of Behaviour, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2017.

MUEHLHAUSER, Luke; SALAMON, Anna. Intelligence explosion: evidence and import. In: EDEN, Amnon; SøRAKER Johnny; MOOR, James H.; STEINHART, Eric (Eds.). Singularity hypotheses: a scientific and philosophical assessment. Heidelberg: Springer, 2012. p. 15-42. Disponível em: . Acesso em 20/08/2017.

NEVEJANS, Nathalie. European civil law rules in robotics. European Union, 2016. Disponível em: . Acesso em: 17/10/2017.

OMOHUNDRO, S. M. The basic AI drives: self-aware systems. In: Proceedings of the 2008 conference on Artificial General Intelligence. Amsterdã: IOS Press, 2008. p. 483-492.

PAGALLO, Ugo. The laws of robots: crimes, contracts, and torts. Heidelberg: Springer, 2013.

PALMERINI, Erica. The interplay between law and technology, or the RoboLaw. In: PALMERINI, Erica; STRADELLA, Elettra (Eds.). Law and Technology: The Challenge of Regulating Technological Development. Pisa: Pisa University Press, 2012. p. 208 e ss. Disponível em: . Acesso: 20/08/2017.

POOLE, David; MACKWORTH, Alan. Artificial Intelligence: Foundations of Computational Agents. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 2010.

REINIG, Guilherme Henrique Lima. A responsabilidade do produtor pelos riscos do desenvolvimento. [Livro eletrônico]. São Paulo: Atlas, 2013.

RUSSEL, Stuart; NORVING, Peter. Artificial Intelligence: a modern approach. 3. Ed. Harlow (UK): Pearson Education Limited, 2014.

TSVETKOVA, M.; GARCÍA-GAVILANES, R.; FLORIDI, L.; YASSERI, T. Even good bots fight: The case of Wikipedia. PLoS ONE 12(2): e0171774, 2017. Disponível em:

TUTT, Andrew. An FDA for Algorithms (15/03/2016). 69 Admin. L. Rev. 83 (2017). Disponível em: . Acesso em: 10/10/2017.

UNIÃO EUROPEIA. Resolução do Parlamento Europeu, de 16 de fevereiro de 2017, com recomendações à Comissão de Direito Civil sobre Robótica (2015/2103(INL)). Publicado em 16/02/2017. Disponível em: . Acesso em: 10/10/2017.

UNIÃO EUROPEIA. Projeto de Relatório que contém recomendações à Comissão sobre disposições de Direito Civil sobre Robótica (2015/2013(INL)). Relatora Mady Delvaux. Publicado em 31/05/2016. Disponível em: . Acesso em: 10/10/2017.

UNIÃO EUROPEIA. Diretiva 85/374/CEE do Conselho, de 25 de Julho de 1985, relativa à aproximação das disposições legislativas, regulamentares e administrativas dos Estados-Membros em matéria de responsabilidade decorrente dos produtos defeituosos. Disponível em: . Acesso em: 19/10/2017.

VLADECK, David C. Machines without principals: liability rules and Artificial Intelligence. Washington Law Review, n. 89, ano 2014, p. 117 e ss.

WAINWRIGHT, Martin. Robot fails to find a place in the sun. The Guardian. Disponível em: . Publicado em: 20/06/2002. Acesso em: 20/08/2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5102/rbpp.v7i3.4951

ISSN 2179-8338 (impresso) - ISSN 2236-1677 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia