Os impasses com o catolicismo negro vivido por rezadores em Santo Antônio de Jesus–BA (1940–1970)

Manuela Santana Nascimento

Resumo


Este artigo tem como objetivo discutir os impasses entre a Igreja católica e o catolicismo vivido por rezadores e rezadeiras do município de Santo Antônio de Jesus. Localizada no Recôncavo Sul da Bahia, a cidade entre as décadas de 1940 e 1970, recebeu uma grande quantidade de migrantes que abandonaram a decadência do campo e foram em busca de uma vida melhor na cidade. Esses sujeitos, que tiveram suas trajetórias marcadas por lutas e resistências trouxeram para a cidade os saberes de cura, ligados às culturas africanas e indígenas formadoras da cultura religiosa brasileira. São essas práticas que, mesmo com as mudanças da Igreja Católica ao longo do século XX, continuaram a ser marginalizadas no imaginário social que foram analisadas ao longo desse artigo. Para isso, foram utilizadas fontes orais e documentos eclesiásticos que direcionaram a compreensão do contexto sócio-histórico do período.

Palavras-chave: Populações negras. Práticas de cura. Catolicismo negro.

Texto completo:

Texto completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/univhum.v11i2.2908

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1984-9419 (impresso) - ISSN 2175-7488 (on-line)

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia