O auto-conhecimento no behaviorismo radical de Skinner, na filosofia de Gilbert Ryle e suas diferenças com a filosofia tradicional apoiada no senso comum - doi: 10.5102/ucs.v2i1.526

João Vicente de Sousa Marçal

Resumo


O conhecimento é apresentado em diversas concepções. Nas tradições filosóficas e no senso comum o conhecimento é entendido como gerador de ações
e explica o comportamento resultante. É classificado em declarativo ou “saber que” e operacional ou “saber como”. Nesta visão o conhecimento é algo que existe dentro do sujeito e para se conhecer é necessário conhecer sua essência ou sua mente. No behaviorismo radical conhecer é comportar-se discriminadamente perante estímulos. O conhecer sobre si, em distinção ao conhecer sobre o mundo, corresponde a uma discriminação de estímulos gerados pelo próprio indivíduo que se auto-conhece. Estes estímulos podem ser privados ou públicos. Tanto os
repertórios verbais auto-descritivos como a auto observação, elementos indispensáveis para o auto conhecimento, são instalados a partir de contingências
providas pela comunidade verbal, o que significa que são comportamentos de origem largamente social. Esta posição de que analisar o conhecimento significa identificar as situações em que ele ocorre e quais as variáveis que o controlam,
assemelha-se a do filósofo Gilbert Ryle que associa conhecimento a comportamento.
Os limites de uma análise behaviorista radical da privacidade são também
apresentados e discutidos.

Palavras-chave


behaviorismo, behaviorismo radical, auto-conhecimento, Skinner, Ryle

Texto completo:

Texto completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/ucs.v2i1.526

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1678-5398 (impresso) - ISSN 1981-9730 (on-line) - e-mail: universitas.saude@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia