Solventes ototóxicos: efeitos do tolueno e estireno na perda auditiva - doi: 10.5102/ucs.v1i1.489

Danilo Assis Pereira

Resumo


Exposição ao tolueno e ao estireno podem ter efeitos ototóxicos, isto é, um dano ou perda da função auditiva. Ambos têm sua ototoxicidade aumentada na presença de ruído, que acabam por lesar células cocleares. Há ainda uma interação do etanol com o estireno, potencializando a ototoxicidade deste último. A comparação realizada com o tolueno e o estireno demonstrou que este é duas vezes mais potente como ototóxico do que aquele. Ainda, demonstrou-se que o estireno continua a agir mesmo após sua retirada. Trabalhadores expostos ao estireno (simultaneamente ao álcool ou não) num ambiente ruidoso ou ao tolueno no mesmo tipo de ambiente terão maiores probabilidades de vir a ter suas cócleas lesionadas, instalando-se um decréscimo na sensibilidade auditiva (aumento do limiar perceptual) ou causando até mesmo a surdez, dependendo do grau de exposição.

Palavras-chave


tolueno, estireno, solvente, ototóxicos, perda auditiva

Texto completo:

Texto completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/ucs.v1i1.489

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1678-5398 (impresso) - ISSN 1981-9730 (on-line) - e-mail: universitas.saude@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia