O cavaleiro inexistente: um dilema para a psicologia? - doi: 10.5102/ucs.v8i2.1096

Marcella Marjory Massolini Laureano, Humberto Barbosa Alcântara

Resumo


O Cavaleiro Inexistente, de Ítalo Calvino, serve de mote ao questionamento acerca da subjetividade, tão cara à Psicologia. Descartes inaugurou a modernidade apartando em definitivo corpo e alma; de certa forma, uma reedição do dilema platônico. Sob o prisma da subjetividade, entretanto, nada é tão dicotomicamente separado e corpo e alma hão de se completar nessa construção. A Psicologia persegue dissecar o subjetivo com a objetividade que o método cartesiano impôs ao científico; mas algo parece sempre escapar da observação. Esse inconsciente que escapa retorna no sintoma e desafia a Psicologia em relances fugidios, completos na incompletude dos mecanismos de deslocamento e condensação. Não há corpo sem alma, não há uma subjetividade assepticamente objetiva e O Cavaleiro Inexistente, se é pura razão, não se sente completo sem um corpo que mostre o ser humano que nele habita. O grande dilema da Psicologia é descobrir se é possível criar caminhos que leve ao entendimento do entrelace do corpo e da mente.

Palavras-chave


Subjetividade.;Sintoma; Inconsciente.

Texto completo:

Texto Completo


DOI: http://dx.doi.org/10.5102/ucs.v8i2.1096

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 1678-5398 (impresso) - ISSN 1981-9730 (on-line) - e-mail: universitas.saude@uniceub.br

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia